Busque sua Cidade
 
Inicial
 
Seções
A01 - Est. Turísticas
A02 - Est. Balneárias
A03 - Est. Climáticas
A04 - Est. Hidrominerais
C01 - Bauru
C02 - Campinas
C03 - Itapetininga
C04 - Mogi das Cruzes
C05 - Presidente Prudente
C06 - Ribeirão Preto
C07 - Santos
C08 - São Carlos
C09 - São José do Rio Preto
C10 - São José dos Campos
C12 - Sorocaba
C13 - Taubaté
D - MÚSICAS
E - BLOG DO JOÃO
 
Portal
Quem Somos
Como Anunciar
Fale Conosco
Enviar E-mail
 
Hortolândia

Geografia

Clima

O município de Hortolândia está inserido em uma região na qual o clima é denominado tropical de altitude (Cwa), um clima mesotérmico com temperaturas amenas (verão 25 °C, inverno 18 °C), e com chuvas concentradas no verão.Uso do solo

Uso residencial: A ocupação pelo uso residencial se estende por todo o território, com residências unifamiliares de padrão alto, médio e baixo.

São raras as edificações multifamiliares e verticalizadas no município destacando-se apenas alguns prédios na região central e outros prédios de quatro pavimentos destinados à habitação popular. Nos últimos anos surgiram alguns loteamentos de padrão alto e começam surgir loteamentos fechados no município.

 

Hidrografia

O principal rio que corta o município é o Ribeirão Jacuba, que inserido na bacia do Rio Piracicaba e do Tietê-Sorocaba, integrando o consórcio das bacias dos rios Piracicaba-Capivari e Jundiaí. Foram delimitadas no território seis microbacias:

Microbacia do Córrego Taquara Branca: localizada parcialmente em Hortolândia e parcialmente em Sumaré, é pouco urbanizada, com bairro isolado composto pelos loteamentos Chácara Planalto e Jardim Novo Horizonte, e o restante do território com áreas de pasto.

Microbacia do Córrego Terra Preta: região intensamente urbanizada, onde se localiza oJardim Amanda. O Córrego Terra Preta ou Boa Vista desemboca no Ribeirão Jacuba. Há possibilidade de recuperação das matas ciliares das áreas do entorno desse córrego onde se localizam as áreas verdes do loteamento.

Microbacia Lagoa Santa Clara: composta por áreas industriais e residenciais é entrecortada pela Rodovia dos Bandeirantes. Trata-se de área em processo de urbanização, com muitas solicitações de aprovação de loteamentos. Este córrego contribui para o Ribeirão Jacuba.

Microbacia do Ribeirão Jacuba ou Hortolândia: é a principal microbacia do município para onde contribuem grande parte das outras microbacias. O Ribeirão Jacuba corta o município e compõe-se de áreas intensamente urbanizadas, tanto residenciais como industriais.

Microbacia Vila Guedes: microbacia de pequena extensão, que contribui no Ribeirão Jacuba. Compõe-se de equipamentos regulares isolados, como Jardim Nova Europa, Jardim Conceição e Vila Guedes. A região dispõe ainda de usos industriais. É preocupante a existência do lixão nesta microbacia.

Microbacia do Córrego da Fazenda São Joaquim: pequena microbacia parcialmente localizada em Hortolândia e Sumaré, composta por terras ainda não urbanizadas.

 

Demografia

Hortolândia destaca-se na Região Metropolitana de Campinas por apresentar elevado crescimento populacional, desde quando ainda era distrito de Sumaré. Caracteriza-se por ser estritamente urbano e receber grandes contingentes populacionais. Este fluxo deve-se a proximidade com Campinas, núcleo-sede da região. No início, o baixo custo de suas terras, o menor custo de vida em relação à Campinas, e fácil acessibilidade, estimularam corrente migratória de mais baixa renda para Hortolândia.

Os municípios ao redor de Campinas apresentam crescimento populacional superior ao da sede da Região Metropolitana de Campinas. No caso de Hortolândia, o município cresceu 7,78% ao ano entre 1991 e 2000, taxa bastante alta, se comparada com as taxas de Campinas e região metropolitana que são de 1,52% e 2,56%, respectivamente. Este crescimento decorre da intensa migração de famílias de baixa renda em busca de emprego, e terras de menor custo em relação à cidade polo, o que acabou criando alguns problemas de infraestrutura urbana e social.

O crescimento demográfico da cidade de Hortolândia em números absolutos como visto anteriormente é o maior quando comparado com o crescimento das cidades limítrofes à Campinas; sendo grande parte da sua constituição motivada pelo processo migratório (67,42%), o que coloca Hortolândia como município que recebeu o maior fluxo migratório de toda a Região Metropolitana de Campinas, na década de 1990.

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,790 médio

IDH-M Renda: 0,700

IDH-M Longevidade: 0,787

IDH-M Educação: 0,883

Taxa de alfabetização: 93,85%

Acesso Rodoviário

SP 101

Distâncias

97 km da Capital.

 

História

O início tem origem entre o final do século XVIII e o começo do século XIX, quando a região incluía as sesmarias de Joaquim José Teixeira Nogueira, um dono de engenho de cana-de-açúcar. Durante o período da abolição, 1888, o neto de Nogueira, Francisco Teixeira Nogueira Junior, repartiu uma área da terra entre seus antigos escravos. A doação verbal não se concretizou e a área passou a pertencer a um médico americano conhecido com doutor Jonas. A ausência de documentos e registros de casas dessa época indica uma região pouco povoada.
O local era ponto de parada para tropeiros, colonos e escravos que costumavam descansar onde hoje é o bairro Taquara Branca, à beira de um riacho. Era ali que os viajantes preparavam um pirão feito de farinha de mandioca, cachaça, açúcar e mel, o Jacuba, que acabou batizando o vilarejo.
O marco definitivo para Jacuba veio com a inauguração da estação ferroviária de Campinas, em 1872. Os trens passavam pelo povoado sem parada. Somente 45 anos depois se instalou um ponto na região, a Estação Jacuba.
A característica urbana começou em agosto de 1947, quando a Prefeitura de Campinas autorizou o primeiro loteamento, o ParqueOrtolândia, empreendimento de João Ortolan. Foi ele, também, o proprietário da Cerâmica Ortolan, hoje Cerâmica Sumaré, a primeira fábrica instalada em Jacuba. Outro empreendimento importante para a consolidação urbana da região foi o Colégio Adventista.
Até ai, o vilarejo integrava a área do distrito de Sumaré, pertencente a Campinas. Foi em 1953, por meio da Lei Estadual 2.456 que Sumaré recebeu status de município e Jacuba adquiriu o título de Distrito de Paz.
Hortolandenses decidiram pela criação do município.
O crescimento relâmpago de Hortolândia resultou no crescimento dos recursos gerados pelo distrito. Na década de 1980, Hortolândia era responsável pela maior parte da arrecadação de Sumaré, ultrapassava os 60%. Era hora do distrito, que por tantos anos atuou como mero figurante no cenário regional, ocupar seu lugar de direito. A organização popular seguiu para o movimento pró-emancipação. 
Os moradores queriam autonomia para definir o futuro de Hortolândia. Foi em 19 de maio de 1.991, que 19.081 mil eleitores votaram “sim” no plebiscito que decidiu pela emancipação político-administrativa do distrito. Nascia, assim, da vontade popular, o município Hortolândia, formado por 110 mil habitantes que escolheram a região para morar, vindas de várias partes do país, em pleno êxodo rural, quando o Estado de São Paulo era o destino daqueles que buscavam oportunidades de trabalho e qualidade de vida.
Hortolândia: terra de oportunidades e gente de valor.
Com mais de 120 anos de registros históricos, 15 deles com status de município, Hortolândia desponta na RMC (Região Metropolitana de Campinas) como uma cidade com grande potencial de desenvolvimento econômico. Estão hoje na cidade 231 indústrias, 704 empresas, 2.538 estabelecimentos comerciais, duas universidades e 5.337 prestadores de serviços.
A cidade é sede da multinacional IBM, que se instalou aqui em 1972. A empresa está situada no condomínio industrial Tech Town, que abriga outros empreendimentos de grande porte. É em Hortolândia, também que estão a Down Corning do Brasil, líder na fabricação de silicone e, ainda, a Belgo Mineira, a Magnetti Marelli, GKN, BS Continental e o grupo EMS-Sigma Pharma, referência na produção de medicamentos genéricos.
O desenvolvimento industrial deve-se à localização privilegiada da cidade no Estado. A proximidade de Hortolândia do AeroportoInternacional de Viracopos, a presença de importantes vias rodoviárias ao seu redor e o fato de estar numa região de grande concentração de desenvolvimento no país, considerada pólo científico e industrial, são fatores primordiais e definitivos para atrair empreendimentos.
Um cenário favorável de crescimento econômico mas ainda com muitos desafios a serem superados. O salto populacional e a falta de investimentos em infra-estrutura resultaram numa cidade de grande potencial, porém, com muitas ações por se fazer. De forma resumida, a cidade representa a síntese dos municípios da RMC, com problemas a serem superados e uma amplitude de crescimento e desenvolvimento a olhos vistos.

Significado do Nome

A mudança do nome do distrito ocorreu no ano seguinte, 1958, em virtude do nome Jacuba já batizar um distrito da região de Arealva. O Projeto de Lei, do então deputado Leôncio Ferraz Júnior, batizou a antiga Jacuba como Hortolândia, uma homenagem a João Ortolan. A letra “H” teria sido um erro de escrita, segundo contam antigos moradores.

Fundação 19 de maio de 1991

Gentílico hortolandense

 

Administração

Prefeito:   ANTONIO MEIRA

 

 

Economia

A partir dos anos 1970 com a interiorização da indústria paulista, foi quando se deu o crescimento econômico do município de Hortolândia, por sua inserção na região de Campinas, que se constituiu em forte polo tanto industrialquanto agrícola, possuindo uma estrutura diferente das outras regiões metropolitanas brasileiras. Desse ponto de vista, Hortolândia tem uma localização privilegiada por ser um município limítrofe de Campinas, o mais importante polo industrial do interior do estado e também por estar ao longo da via Anhanguera o qual liga a Região Metropolitana de Campinas a grandes polos como São Paulo. Com a emancipação, Hortolândia foi beneficiada visto que o seu distrito abrigava indústrias que geravam cerca de 45% do valor adicionado fiscal de Sumaré. Não contando com uma base agroindustrial expressiva, não tendo uma política de desenvolvimento direcionada, a geração da renda da população e do emprego é centrada no setor industrial, além do setor de comércio e serviços.

Sua estrutura industrial é formada também por empresas de alta tecnologia e que necessitam de mão-de-obra especializada. Com mais de 120 anos de registros históricos, dezoito deles com o posto de município, Hortolândia se solidifica na Região Metropolitana de Campinas (RMC) como uma cidade com grande desenvolvimento econômico. A cidade é sede da multinacional IBM, que se instalou ali em 1972. A empresa está situada no condomínio industrial Tech Town, que abriga outros empreendimentos de grande porte. É em Hortolândia também, que estão a Dow Corning, empresa de fabricação de silicone e, ainda, a Belgo-Mineira, Magneti Marelli, GKN, BSH e o laboratório farmacêutico EMS, referência na produção de medicamentos genéricos. Em 2007, outras empresas de grande porte intalaram-se no município, como a Dell, primeira maior fabricante de computadores do mundo, e a Wickbold, do ramo alimentício.

O desenvolvimento industrial deve-se à localização privilegiada da cidade no estado. A proximidade de Hortolândia do Aeroporto Internacional de Viracopos, a presença de importantes vias rodoviárias ao seu redor e o fato de estar numa região de grande concentração de desenvolvimento no país, considerada polo científico e industrial, são fatores primordiais e definitivos para atrair empreendimentos. Na segunda metade da década de 1990, o valor adicionado fiscal de Hortolândia saltou de R$ 870 milhões em 1995 para R$ 1,2 bilhão em 2000, tendo um pequeno decréscimo em 1997, porém voltando a crescer nos anos seguintes, fato que ocorreu principalmente devido à expansão do setor industrial. Entre 2005 e 2008, o tamanho da economia do município cresceu 105%, chegando a R$ 3,5 bilhões.

O setor de serviços ainda que com menor desempenho, é o segundo grupo de atividades em destaque, o comércio tem uma pequena parcela de participação, fato este que ocorre devido à fraca presença do comércio atacadista e pelo baixo dinamismo do comércio varejista que é basicamente voltado para o abastecimento da população local, sofrendo com a concorrência do comércio do município polo. Ainda assim percebe-se um crescimento do setor de comércio e serviços local.

Na indústria, o maior desempenho é liderado pelo ramo de materiais elétricos e de comunicações, correspondendo a 60,3% do valor adicionado fiscal da indústria local, seguido por outros dois setores que também se destacam: materiais de transporte (12,5%) e produtos mecânicos (10%). No total do valor adicionado da Região Metropolitana de Campinas, o município tem se mantido em torno de 4%, ocupando a 5ª posição superado por Campinas, Paulínia, Americana e Sumaré. Alguns ramos de Hortolândia tem alta participação no total respectivo da Região Metropolitana de Campinas, como o de material de transporte (6,3%), mecânica (12,6%) e material elétrico e de comunicações (28,7%).

 

Cultura e lazer

No desenvolvimento cultural de Hortolândia, sua identidade vem sendo construída de forma sólida e constante, tendo como foco a música instrumental e a cultura popular. É possível encontrar na cidade, manifestações culturais das mais diversas vertentes e isso tem ajudado a vencer os altos índices de violência registrados no passado e a aumentar a auto-estima dos moradores.

Em parceria com o Ministério da Cultura (MinC), a cidade conta com três pontos de cultura, que desenvolvem projetos de música instrumental, violão popular, teatro, vídeo e musicalização infantil. Além desses projetos, é possível ter contato com elementos do hip hop, com catira, roda de viola, artesanato, samba de roda, entre outros. A cidade tem uma grande representatividade na cultura afro-descendente, tendo como principais nomes as Mães Dango e Eleonora. Duas bibliotecas municipais com dois ramais e um quiosque de leitura, atendem o município. Além disso, Hortolândia conta com um Infocentro e uma Casa Brasil. As apresentações culturais da cidade se concentram em vários espaços, como: Auditório Arlete Afonso do colégio adventista IASP, em seis auditórios das escolas de ensino fundamental e Câmara Municipal.

 

Site da cidade

http://www.hortolandia.sp.gov.br/wps/portal

 

Fonte

http://pt.wikipedia.org/wiki/Hortolândia

http://www.ferias.tur.br/informacoes/9189/hortolandia-sp.html

 
MAIS SOBRE Hortolândia:
 
Deixe seu Comentário
 
 
COMETÁRIOS SOBRE Hortolândia:
 
29/03

morei la 8 anos hoje moro em hortolandia mas gostaria de voltar pra la com minha mae

Enviado por renan palomo às 23h53
22/03

AMO MONTE MOR,CIDADE HOSPITALEIRA,ACOLHEDORA,ONDE TRABALHO COM GRANDE SATISFAÇÃO.FELIZ AIVERSÁRIO CIDADE QUERIDA...PARA TI EU FIZ ATÉ UMA POESIA QUE PRETENDO PUBLICAR..

Enviado por PROFª ROMILDA APARECIDA DA SILVA às 07h56
16/05

ESSA CIDADE ESTA COM UM GRADE TESOURO NAS MAOS MEU FILHAO ESTA MORANDO AI .QUE deus o ilumine para que ele seja um grande capeao Hortolandia CUIDA BEM DO MEU FILHOTE AI UM ABRAÇO A TODOS DA CIDADE

Enviado por solange às 12h27
22/09

gostaria de uma orpotunidade de emprego na amsted-maxiom ferrovia

Enviado por edione brito às 20h42
22/09

ja trabahlei em industria quimica 12 anos e gostaria de uma oportunidade na empresa dawcorning do brasi de hotolandia ou na amsted maxion ferrovia de vagões ,como preparador de tintas ou pintor

Enviado por edione às 20h35
 
Seções: A01 - Est. Turísticas | A02 - Est. Balneárias | A03 - Est. Climáticas | A04 - Est. Hidrominerais | C01 - Bauru | C02 - Campinas | C03 - Itapetininga | C04 - Mogi das Cruzes | C05 - Presidente Prudente | C06 - Ribeirão Preto | C07 - Santos | C08 - São Carlos | C09 - São José do Rio Preto | C10 - São José dos Campos | C12 - Sorocaba | C13 - Taubaté | D - MÚSICAS | E - BLOG DO JOÃO |
Portal: Inicial | Quem Somos | Como Anunciar | Fale Conosco | Enviar Email |

© Interior SP - Cidades. Todos os Direitos Reservados.

Desenvolvimento: UPWEB Internet Solutions