Busque sua Cidade
 
Inicial
 
Seções
A01 - Est. Turísticas
A02 - Est. Balneárias
A03 - Est. Climáticas
A04 - Est. Hidrominerais
C01 - Bauru
C02 - Campinas
C03 - Itapetininga
C04 - Mogi das Cruzes
C05 - Presidente Prudente
C06 - Ribeirão Preto
C07 - Santos
C08 - São Carlos
C09 - São José do Rio Preto
C10 - São José dos Campos
C12 - Sorocaba
C13 - Taubaté
D - MÚSICAS
E - BLOG DO JOÃO
 
Portal
Quem Somos
Como Anunciar
Fale Conosco
Enviar E-mail
 
Canas

Demografia

Dados do Censo - 2000

População Total: 3.614

Urbana: 3.041

Rural: 573

Homens: 1.866

Mulheres: 1.748

Densidade demográfica (hab./km²): 71,14

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 16,97

Expectativa de vida (anos): 70,64

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,68

Taxa de Alfabetização: 90,13%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,753

IDH-M Renda: 0,640

IDH-M Longevidade: 0,761

IDH-M Educação: 0,857

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia

Rio Paraíba do Sul

Ribeirão Caninhas

Ribeirão Canas

Córrego do Tijuco Preto

Rodovias

BR-116

SP-58

História

Esses imigrantes eram principalmente italianos, que receberam terras com a finalidade de plantar cana para abastecer o Engenho Central de Lorena, em 1887. Em 28 de junho chegou em Lorena, a primeira leva dos imigrantes italianos fixando residência em Caninhas. Os italianos deixaram o país em busca de melhores condições de vida. De acordo com o Decreto de D. João VI, receberam propriedades territoriais para exploração agrícola em uma área a oito quilômetros distantes dos centros. A denominação Caninhas derivou do tipo de cana produzia no local, chamada crinolina, e que era mais fina do que a usualmente plantava na colônia. Os imigrantes tinham um contrato por cada lote recebido, no valor de quatrocentos mil réis, e um prazo de quatro anos para resgatar a dívida. Após o término de contrato, podiam plantar o que quisessem. A cana plantada era vendida ao Engenho Central de Lorena. Para a subsistência as famílias plantavam arroz, feijão, batata e verduras. Canas era mata fechada, não era só plantar, foi preciso desbravar. Muitos imigrantes não agüentavam e retornavam para Itália, os que ficaram foram os mais acostumados á lavoura, os que tiveram coragem de enfrentar a situação do sertão. As primeiras famílias italianas que vieram para Canas foram: Ligabo, Marton, Giordani, Bortolacci, Bellini, Sacilotti, Favalli, Guarisse, Ultramari, Albarello, Barsotti e Canitieri e as portuguesas foram: Andrade e Livramento, e de origem belga Bronchaim. Com a falência do Engenho Central de Lorena, os colonos foram obrigados a plantar diversos tipos de alimentos. Vendiam arroz socado no pilão. Trouxeram hábitos alimentares da Itália, tais como: macarrão, pão feito em casa, vinho e hatugue (bolinho de trigo feito com ovo). Os italianos faziam festa em homenagem a Santo Antônio de três em três meses. Após a missa das oitos horas, serviam café, pão com manteiga para todos os fiéis. A tradição continua até hoje na Igreja de Caninhas. Em 1904, construíram a Igreja de Caninhas sendo o padroeiro Santo Antônio.        Mais tarde construíram outra igreja no centro de Canas e a padroeira passou a ser Nossa Senhora Auxiliadora. A festa é comemorada no último Domingo do mês de maio.
A colônia de Canas foi iniciativa do Barão da Bocaina, comendador Francisco de Paula Vicente de Azevedo, um dos grandes incentivadores desse tipo de núcleos rurais agropecuários do Vale do Paraíba. Dentro da evolução Canas passou de Núcleo Colonial Agrícola (1890), para bairro, distrito, e finalmente Município. Em 1960, pela primeira vez o Bairro de Canas elegeu seu representante para Câmara Municipal de Lorena, Sr. João Neri Marton. Em seguida o Sr. Arthur Domingues Quintas eleito vereador na legislatura 63/67 e 68/72.
Posteriormente o Sr. Valderez Gomes de Lucena Filho representou o Distrito de Canas sendo eleito vereador na legislatura 89/92 e 93/96. Em 22 de março de 1992, foi realizado o PLEBISCITO POPULAR, que optou pela emancipação de Canas. O representante do Distrito na Câmara Municipal de Lorena até então era o vereador Valderez Gomes de Lucena Filho que após plebiscito foi eleito presidente da Frente Distrital Paulista de Emancipação. Em 30 de Dezembro de 1993, o Governador Luiz Antônio Fleury Filho assinou a Lei n° 8.550 que emancipou em definitivo o Distrito de Canas do Município de Lorena. Em 1996, foi eleito o primeiro prefeito de Canas Sr. Rynaldo Zanin que tomou posse a partir de 1° de Janeiro de 1997.

Significado do Nome

A origem do nome Canas se deu em função da desapropriação por parte do governo de uma fazenda denominada Fazenda das Canas, de propriedade do Alferes Francisco Ferreira dos Reis para o assentamento das famílias dos imigrantes.

Aniversário da Cidade: 22 de Março

Fundação: 30 de dezembro de 1993

Gentílico: canense

Administração

Prefeito:    RINALDO BENEDITO THIMÓTEO ZANIN

 

Telefones Úteis

http://www.canas.sp.gov.br/contato.htm

Fontes

http://www.canas.sp.gov.br/

http://pt.wikipedia.org/wiki/Canas

http://www.ferias.tur.br/informacoes/9031/canas-sp.html

 
MAIS SOBRE Canas:
 
Deixe seu Comentário
 
 
COMETÁRIOS SOBRE Canas:
 
 
Seções: A01 - Est. Turísticas | A02 - Est. Balneárias | A03 - Est. Climáticas | A04 - Est. Hidrominerais | C01 - Bauru | C02 - Campinas | C03 - Itapetininga | C04 - Mogi das Cruzes | C05 - Presidente Prudente | C06 - Ribeirão Preto | C07 - Santos | C08 - São Carlos | C09 - São José do Rio Preto | C10 - São José dos Campos | C12 - Sorocaba | C13 - Taubaté | D - MÚSICAS | E - BLOG DO JOÃO |
Portal: Inicial | Quem Somos | Como Anunciar | Fale Conosco | Enviar Email |

© Interior SP - Cidades. Todos os Direitos Reservados.

Desenvolvimento: UPWEB Internet Solutions