Busque sua Cidade
 
Inicial
 
Seções
A01 - Est. Turísticas
A02 - Est. Balneárias
A03 - Est. Climáticas
A04 - Est. Hidrominerais
C01 - Bauru
C02 - Campinas
C03 - Itapetininga
C04 - Mogi das Cruzes
C05 - Presidente Prudente
C06 - Ribeirão Preto
C07 - Santos
C08 - São Carlos
C09 - São José do Rio Preto
C10 - São José dos Campos
C12 - Sorocaba
C13 - Taubaté
D - MÚSICAS
E - BLOG DO JOÃO
 
Portal
Quem Somos
Como Anunciar
Fale Conosco
Enviar E-mail
 
Monte Azul Paulista

Geografia

 

Localiza-se a uma latitude 20º54'26" sul e a uma longitude  48º38'29" oeste, estando a uma altitude de 611 metros. Sua população estimada em 2004 era de 20.505 habitantes.

 

Possui uma área de 263,5 km².

 

Demografia

 

Dados do Censo - 2000

 

População total: 19.553

 

* Urbana: 17.563

* Rural: 1.990

* Homens: 9.871

* Mulheres: 9.682

 

Densidade demográfica (hab./km²): 74,20

 

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 19,82

 

Expectativa de vida (anos): 69,24

 

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 2,32

 

Taxa de alfabetização: 89,75%

 

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,776

 

* IDH-M Renda: 0,741

* IDH-M Longevidade: 0,737

* IDH-M Educação: 0,851

 

 

COMO CHEGAR

 

Localização

 

Situada na próspera e populosa região norte do Estado de São Paulo, Brasil, bem no centro do eixo Ribeirão Preto-São José do Rio Preto

 

Limites

 

Barretos, Bebedouro, Catanduva e Olímpia

 

Acesso Rodoviário

 

SP-322

 

Distâncias

 

420 km da Capital

 

História

 

O pequeno livro contando a história de Monte Azul Paulista veio sanar inúmeras dúvidas que pairavam sobre a cidade.

Podemos citar pelo menos duas de grande importância para nós: a primeira seria no sentido de que a cidade havia sido fundada em 1.897 e não 1.896.

Ficou claro pelas pesquisas feitas pelo historiador que o correto é 1.896, isto porque no Diário do fundador Joaquim da Costa Penha está claro que no dia 29 de junho de 1.896, ele, Felipe Cassiano e outras pessoas demarcaram o local onde hoje está localizada a Igreja Matriz do Senhor Bom Jesus com uma cruz lavrada em uma imensa árvore, perto de um imenso coqueiro.

Alguns meses depois levantaram, nesse mesmo local, um cruzeiro e, no ano de 1.897 é que foi lavrada a escritura de doação de alguns proprietários de terras do lado da Fazenda Avanhandava, para a Fábrica do Patrimônio Senhor Bom Jesus de Monte Azul.

Esse equívoco levou antigos moradores e historiadores pensarem e escreverem que a cidade teria sido fundada em 1.897. Com a publicação do livro, foi desfeito esse desencontro de datas sobre a fundação da cidade.

A segunda dúvida tem a ver com a primeira, pois quando do cinqüentenário, alguns políticos queriam que fosse comemorado em 1.946, outros 1.947, provocando certa animosidade entre os habitantes. Comemorou-se erradamente, em 1.947, como entendiam os políticos da então situação.

Também, existe e não há maneira de se saber o que na verdade ocorreu, o fato de terem sido doados 25 alqueires que pertencem à Igreja e na realidade Monte Azul contar desde o início com 54 alqueires de terras mais ou menos. No entanto, é sabido que a família Junqueira colaborou com mais alguns alqueires para ser formado o patrimônio, sem, portanto, contarmos com nenhuma documentação comprobatória dessa doação.

Acreditamos que por serem imensas as glebas dessa tradicional família é que não foram lavrados documentos, mas a verdade é que as terras que ultrapassam os 25 alqueires iniciais são exatamente do lado da Fazenda Palmeiras que era dessa já mencionada família.

 

Fundação: 29 de junho de 1896 (113 anos)

 

Gentílico: monteazulense

 

Administração

prefeito: PAULO SERGIO DAVID

 

Economia

 

A economia predominante é agrícola, sendo que as principais culturas são: cana-de-açúcar e laranja, com 10 mil hectares de plantio de cada.

Além destas, encontra-se no município o plantio de seringueira, milho e goiaba, além da pastagem que, segundo o censo realizado em novembro e 2006, conta com 12 mil cabeças de gado.

A produção de laranja estimada para 2007 é de 4 milhões 372 mil caixas de laranja de 40,8 kg e a de cana-de-açúcar é de 760 mil toneladas.

Estima-se ainda que anualmente 1 milhão de cabeças de frango de corte são produzidos no município e cerca de 396 mil kg de látex coagulado.

O município conta também com 400 hectares de mata nativa.

A renda bruta anual da agropecuária do município para o ano de 2007 está estimada em R$ 101 milhões 394 mil.

 

 

 

 

Turismo

 

Principais Pontos Turísticos

 

A Casa

 

Inaugurada em 16 de outubro de 1.997.

Criada para realizar um trabalho de fomentação de uma política cultural democratizada aos artistas e ao público, dando características próprias a indivíduos de todas etnias, tornado-os representantes da inclusão sócio-cultural, dignamente um direito adquirido.

Com ações diretas e eficazes, trabalha-se o indivíduo partindo do seu interesse artístico que quando em contato com as artes, mergulha em novos conceitos e novos escrúpulos.

Com recursos próprios na maioria das vezes ou com algumas parcerias, a atual administração vem desenvolvendo cursos e workshops para crianças e adultos, promovendo eventos culturais e educativos. Promove interferências artísticas em eventos já tradicionais, tornando uma simples manifestação popular em atrativo de impacto visual estético e educativo.

 

O Prédio

 

O prédio onde esta instalada a Casa da Cultura, um sobrado da época do café, foi adquirido no ano de 2.001 pelo atual Prefeito Jackson Plaza e cedido para que se torne um Centro Cultural da cidade.

O sobrado teve o inicio de sua obra na primeira década do século 20, tendo como proprietário a família Said Aidar, também proprietários da Casa Bancária Said Aidar. Construída com requintes em detalhes inspirados na arquitetura européia, e de precioso acabamento.

Durante a crise do café o sobrado foi vendido para outra família de banqueiros em ascensão na cidade, o Banco Antonio de Queiroz, que investiu no acabamento e na ampliação do sobrado e nos jardins que envolvem a casa.

Algumas curiosidades que a torna mais interessante, é o acabamento artístico que o proprietário fazia questão de investir, como por exemplo, as pinturas de todos os cômodos da casa, o sistema de calhas de cobre, os vitrais artísticos da sala principal, os lustres que o próprio proprietário fazia questão de escolher em suas viagens a Europa, alguns móveis que ainda estão na casa, etc.

O prédio sofreu duas reformas de maior importância desde então. Na década de 60 e 80, quando feitas à parte elétricas e a intervenção nas pinturas artísticas do pavimento superior e parte do inferior. De um modo geral a conservação da casa é boa quanto à arquitetura, mas quanto ao acabamento esta em situação delicada por motivo de algumas infiltrações ocorridas no local.

 

Estação Ferroviária

 

Cia. E. F. São Paulo-Goiaz (1910-1916)

Cia. Ferroviária São Paulo-Goiaz (1916-1950)

Cia. Paulista de Estradas de Ferro (1950-1969)

MONTE AZUL

Município de Monte Azul Paulista, SP

Linha-tronco SPG - km 31,169   SP-2492

Ramal de Nova Granada - km 31,169   Inauguração: 05.03.1910

Uso atual: demolida   sem trilhos

Data de construção do prédio atual: 1917 (já demolido)

 

HISTÓRICO DA LINHA: A Companhia Estrada de Ferro São Paulo-Goiaz começou a operar em 1910 ou 1911, dependendo da fonte, com a intenção de levar os trilhos até Goiás, partindo da estação de Bebedouro. As linhas também seguiriam dessa estação da Paulista até a estação de Passagem nos anos seguintes. Em 1914, a empresa faliu e em 1916 foi constituída a partir da massa falida, que continuava operando, a Cia. Ferroviária São Paulo-Goiaz. Nessa altura, a linha seguia de Passagem a Villa Olímpia (Olímpia), passando por Bebedouro, com um ramal saindo de Ibitiúva a Terra Roxa. Em 1927, a Paulista comprou todo o trecho entre Passagem e Bebedouro, incluindo o pequeno ramal; a CFSPG passou a operar apenas o trecho Bebedouro-Olímpia, que em 1931 foi esticado até Nova Granada. A ferrovia, de bitola métrica, que deveria cruzar a fronteira próximo a Icem, na Cachoeira do Marimbondo, nunca passou de Nova Granada nem chegou a Goiás. Em 1950, a Cia. Paulista a adquiriu e a transformou no ramal de Nova Granada. Este, depois de receber pesados investimentos durante os dez anos seguintes, acabou por ter o trecho final (Olímpia-Nova Granada) suprimido pela Paulista já estatal, em 1966, e em 2/1/1969, todo a linha restante também foi extinta. Os trilhos e as propriedades foram arrancados e vendidas pouco tempo depois. Dela pouca coisa restou, tendo a grande maioria das estações sido demolida.

 

A ESTAÇÃO: Descendo na estação ferroviária de Bebedouro, vinham os primeiros habitantes de Monte Azul para a vila nos troleis de Jacob Witzel, dono da empresa dos carrinhos puxados por tração animal. Em 1908, o coronel João Baptista de Oliveira Cardoso iniciou um movimento junto à população e autoridades para fazer chegar a ferrovia até a cidade. Esse movimento ganhou força e finalmente em 06/04/1909 começou a abertura dos locais por onde passariam os trilhos entre Bebedouro e Monte Azul. Para marcar o início das obras foi cortado simbolicamente o primeiro galho de árvore por Joaquim da Costa Penha. O trabalho de picada, ou seja, o de abertura dos locais para o assentamento dos trilhos, terminou no dia 20/07/1909 e nove meses depois de iniciado, a linha da CEFSPG chegou à cidade, em 04/01/1910. No dia 5 de março, menos de um ano após o início da obra, o primeiro trem chega na cidade. Porém, nem tudo foi euforia com relação a estrada de ferro. Houve protestos de grande parte da população que não concordava com a passagem dos trilhos no meio da cidade; queriam-nos, eles e a estação, fora dela. Numa das fotos abaixo, que mostra a parte central da fachada da estação, a data no frontispício parece indicar 1917 como data da construção do prédio, o que mostra que existia ali antes alguma estação provisória. Os relatórios da Cia. Paulista - que comprou a E. F. São Paulo-Goiaz, sucessora da original, em 1950 - dos anos 50 dão a inauguração da estação como tendo sido no mês de março de 1911, um ano após o citado acima, que parece mais confiável, visto ter como fonte jornais da época, enquanto a Paulista herdou informações da extinta Cia. E. F. São Paulo-Goiaz. Porém, quando a ferrovia foi desativada, em 1968, a retirada dos trilhos provocou protestos da população. Os trilhos teriam sido retirados dias após a desativação, e, não muito tempo depois, a Prefeitura demoliu a estação, sendo que em seu lugar foi construída uma indústria. (Fonte principal: João Francisco Massoneto, Monte Azul, SP).

 

Site da cidade

http://www.camaramonteazul.sp.gov.br/

 

Fonte

http://citybrazil.uol.com.br/sp/monteazulpaulista/index.php

http://www.ferias.tur.br/informacoes/9379/monte-azul-paulista-sp.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Monte_Azul_Paulista

http://www.camaramonteazul.sp.gov.br/index.php?pg=cidade&tipo=historicocidade

 
MAIS SOBRE Monte Azul Paulista:
 
Deixe seu Comentário
 
 
COMETÁRIOS SOBRE Monte Azul Paulista:
 
02/09

Boa noite meu nome é Reynaldo sou de São Paulo-SP natural de Garça-SP, e Gostaria de saber se encontro em Monte Azul Paulista algo sobre meu avo que foi maestro e tocava no cinema mudo da cidade por volta de 1917 até 1.929 elém de maestro Vovo era ourives e também passava telegrama na Rede ferroviaria Federal. O seu nome Era José Carlos de Souza foi criado por uma familia de sobre nome Bucker de Godoi. Agradeço a atenção e aguardo informações. Grato. Reynaldo reynaldosouza@ig.com.br cel. 11 973346270

Enviado por jose reynaldo de souza às 14h25
 
Seções: A01 - Est. Turísticas | A02 - Est. Balneárias | A03 - Est. Climáticas | A04 - Est. Hidrominerais | C01 - Bauru | C02 - Campinas | C03 - Itapetininga | C04 - Mogi das Cruzes | C05 - Presidente Prudente | C06 - Ribeirão Preto | C07 - Santos | C08 - São Carlos | C09 - São José do Rio Preto | C10 - São José dos Campos | C12 - Sorocaba | C13 - Taubaté | D - MÚSICAS | E - BLOG DO JOÃO |
Portal: Inicial | Quem Somos | Como Anunciar | Fale Conosco | Enviar Email |

© Interior SP - Cidades. Todos os Direitos Reservados.

Desenvolvimento: UPWEB Internet Solutions