Busque sua Cidade
 
Inicial
 
Seções
A01 - Est. Turísticas
A02 - Est. Balneárias
A03 - Est. Climáticas
A04 - Est. Hidrominerais
C01 - Bauru
C02 - Campinas
C03 - Itapetininga
C04 - Mogi das Cruzes
C05 - Presidente Prudente
C06 - Ribeirão Preto
C07 - Santos
C08 - São Carlos
C09 - São José do Rio Preto
C10 - São José dos Campos
C12 - Sorocaba
C13 - Taubaté
D - MÚSICAS
E - BLOG DO JOÃO
 
Portal
Quem Somos
Como Anunciar
Fale Conosco
Enviar E-mail
 
São Joaquim da Barra

Localiza-se a uma latitude 20º34'53" sul e a uma longitude  47º51'17" oeste, estando a uma altitude de 625 metros. Sua população estimada em 2004 era de 44.472 habitantes.

 

Possui uma área de 412,271 km².

 

A topografia do município apresenta-se ondulada, em baixadas e espigões, cujas altitudes variam entre 400 a 625 metros.

 

O relevo faz parte do planalto Meridional do Brasil.

 

A altitude máxima é de 625 metros acima do nível do mar.

 

Solo

 

É composto por terrenos areníticos-basálticos (vulcânicos), por isso em seus solos predominam a terra roxa, com grande fertilidade para a agricultura que se desenvolveu inicialmente com o café, o algodão, a soja e a cana-de-açúcar.

 

Vegetação

 

Floresta tropical com áreas de cerrado que foram substituídas pela agropecuária deste o século passado, restando pequenos capões e matas ciliares.

 

Hidrografia

 

* Rio Paraná.

* Rio Sapucaí

 

Córregos: Da Barra, São Pedro, Lajeado, Santa Fé, São Joaquim, Olaria e Santo Antônio, e o Ribeirão do Rosário(afluente do Rio Pardo) que recebe os córregos Sucuri, São Luís, Marimbondo, Milho Vermelho.

 

Completam o sistema hidrográfico municipal as lagoas Feia, Redonda e Lagoinha.

 

 

COMO CHEGAR

 

Localização

 

Região Norte-Nordeste do estado de São Paulo

 

Limites

 

Guará ao norte-nordeste, Nuporanga ao leste, Orlândia ao sul, Morro Agudo ao sudoeste e Ipuã à oeste.

 

Acesso Rodoviário

 

Rodovia Anhanguera  /  Rodovia Prefeito Fábio Talarico

 

Distâncias

 

384 km da Capital

 

 

História

 

Nosso atual município era um simples pedaço de terra roxa e extremamente fértil inserida no sertão de Goiás, pertencente ao município Mogi-Mirim e à comarca de Itu.

Nossa cidade que já se chamou “Jussara”, São Joaquim de Nuporanga, Capão do Meio e São Joaquim, acrescentou-se da Barra ao nome por causa do córrego da Barra divisor dos municípios de Ipuã e São Joaquim da barra.

O local onde está São Joaquim da Barra, era pouso habitual de viajantes e tropeiros no percurso entre Ipuã e Nuporanga.

O povoamento inicial do município surgiu no início do século XIX, devido ao êxodo dos moradores do sul da Província de Minas Gerais, atraídos pela riqueza da terra, pelo clima agradável e boas aguadas. Nascia o povoado de São Joaquim quase 100 anos depois disto, em 1.898, seu nascimento e crescimento aconteceu em virtude principalmente dos trilhos da Companhia Mogiana e da primeira casa de comércio na estrada que ligava Batatais e Nuporanga a Sant’Ana dos Olhos d’ Água, hoje Ipuã.

Alguns moradores entre os Manoel Gouveia de Lima, João Batista da Silveira e Francisco de Lima, espalhados pelas beiras de córregos e riachos sentiram a necessidade de maior convívio social e organizaram uma comissão para obter fundos e adquirir algumas terras que constituíssem patrimônio de uma povoação. José Esteves de Lima arrematou em leilão público, na comarca de Nuporanga, em 21 de janeiro de 1895, uma área situada na fazenda “São Joaquim”.

A 30 de maio de 1898, José Esteves de Lima sua mulher D. Maria Theodora da Conceição assinaram a escritura de doação para o patrimônio de uma capela de São Joaquim. Inúmeras pessoas chegaram então de territórios vizinhos ou distantes, entre elas italianos, espanhóis e portugueses.

Em 1901, começou a construção da primeira capela que teve como padroeiro, São Joaquim e o Distrito de São Joaquim foi criado pela Lei Estadual nº 859, de 06 de dezembro de 1902, quatro anos após, em 19 de Dezembro de 1906 foi ele levado a categoria de vila pela lei nº 1038. A lei estadual nº 1588 de 16 de dezembro de 1917, criou o município de São Joaquim com território desmembrado de Orlândia, elevando sua sede à categoria de cidade.

Em 30 de novembro de 1944, pelo Decreto Lei Estadual nº 14374, o nome São Joaquim foi mudado para São Joaquim da Barra e conserva-se até hoje.

 

Fundação: 30 de maio de 1898 (112 anos)

Gentílico: joaquinense

 

Lema: É bom viver aqui

 

Administração

* Prefeito: MARCELO DE PAULA MIAN

 

Economia

 

Destacam-se a transformação de ferro, siderurgia e laminação, fabricação de peças para máquinas agrícolas, de fabricação de calçados, e de esmagamento de soja para óleo comestível. As usinas de açúcar e álcool também são parte da economia do município. O comércio destaca-se pela variedade de atividades, tornando o município um ponto de referência para a região.

 

Agricultura

 

De um total de 39.900 ha, o município tem uma área agricultável de 32.000 ha, sendo 23.000 ha de cultura de cana, 4.000 ha de cultura de soja, 2.600 ha de cultura de milho e 3.000 ha de pastagens.

 

Pecuária

 

Leite: o município possui aproximadamente 2.500 cabeças sendo a maioria gado cruzado e produz 1.500 litros de leite por dia e 45.000 litros por mês.

 

Corte: aproximadamente 4.600 cabeças e produção de 73.600 arrobas de carne por ano.

 

Suínos: a média se mantém 600 cabeças que são abatidas em torno de 150 cabeças/800 arrobas anuais.

 

Avicultura: produção anual de 500.000 aves por ano e peso de 900.00K/ano.

 

Educação

 

A rede municipal de Pré-Escola atende mais de 2.000 alunos (2006).

 

Também existem cinco escolas infantis particulares. EMEIS (Escola Municipal de Educação Infantil) em vários bairros; salas de aula em creches municipais e particulares, 4 CEIS e 14 pré-escolas, Ensino Supletivo-EJA (Alfabetização de Jovens e Adultos), Escola Técnica de Artes Municipal Fabiano Lozano, Biblioteca.

 

Seis escolas particulares (FEAM-COC, OBJETIVO, ANGLO, Colégio Iara, Colégio Iang, Liceu Paulo Freire). Cursos e atividades particulares livres como: línguas, informática, música, artes, esportes e dança. Encontra-se instalada uma Unidade do Centro Estadual Tecnológico Paula Souza, a Etec Pedro Badran que oferece cursos técnicos ao município e região, o município conta com uma unidade de ensino superior (FACIG) Faculdade de Ciências Gerenciais, com três cursos: Administração, Ciências Contábeis e Turismo

 

Turismo

 

Festas

 

Em maio, no final do mês acontece a tradicional "Festa da Soja".

 

Religião

 

No mês de novembro (18 a 27 de novembro) acontece a novena em ação de graças a Nossa Senhora das Graças.

 

Estação Ferroviária

 

Cia. Mogiana de Estradas de Ferro (1901-1971)

FEPASA (1971-1979)

 

Ramal de Igarapava - km 75,482

Inauguração: 15.03.1902

Uso atual: estação rodoviária

Data de construção do prédio atual: 1902

 

HISTÓRICO DA LINHA: O ramal de Igarapava foi aberto em seu primeiro trecho, em 1899, até Jardinópolis, a partir do local em que seria construída a estação de Entroncamento, um ano depois. Em 1905, chegou a Igarapava, então ainda Santa Rita do Paraizo. Em 1914, atingiria a linha do Catalão, já em Minas Gerais, pouco antes de Uberaba. O ramal atravessava as melhore terras de café do norte do Estado. Em fevereiro de 1979 foi fechado para cargas, e em 10/05/1979 para os trens de passageiros, e substituído pela variante Entroncamento-Amoroso Costa, que correria mais a oeste da linha velha e se tornaria então a continuação do tronco retificado da ex-Mogiana. Os trilhos foram retirados por volta de 1986, sobrando apenas as velhas estações, abandonadas ou com outras funções.

 

A ESTAÇÃO: Foi aberta em 1902 como São Joaquim. A estação foi ampliada em 1909. Em 1945, o CNG determinou a mudança de nome para o atual. Era uma estação com enorme movimento. Em 1955, havia 20 mil sacas de cereais armazenados, aproveitando todo o espaço disponível. No vestíbulo, pilhas de café beneficiado e só um corredor para movimentação dos passageiros. Até na sala de espera havia cereais (Américo Villani, chefe da estação em 1955). As queixas contra a estação, agora já no centro da cidade, au-mentavam. Em julho de 1962, Guy Antonio Leonti, da Folha Joaqui-nense, conta que O comboio chegou na estação procedente de Orlândia. A grande fila de vagões chega a fazer curva lá em cima. Com isso as ruas 15 de Novembro, Paraná e Bahia estão impedi-das. Todas elas têm passagem de nível fechadas pelo trem. E a cidade fica dividida em duas. (...) pedestres não se dão por venci-dos (...) saltando ou passando sob os vagões. Enquanto isso, os trabalhadores descarregam mercadorias do trem na estação. A estação foi finalmente desativada em 1979 e substituída por uma outra, nova, do lado oeste da cidade. Os trilhos foram retirados poucos anos depois, e, em 1985, a imprensa denunciava o estado deplorável em que se encontrava a estação da Mogiana.

 

Site da cidade

http://www.saojoaquimdabarra.sp.gov.br/

 

Fonte

http://www.ferias.tur.br/informacoes/9654/sao-joaquim-da-barra-sp.html

http://citybrazil.uol.com.br/sp/sjoaquimbarra/index.php

http://pt.wikipedia.org/wiki/S%C3%A3o_Joaquim_da_Barra#Turismo

 
MAIS SOBRE São Joaquim da Barra:
 
Deixe seu Comentário
 
 
COMETÁRIOS SOBRE São Joaquim da Barra:
 
 
Seções: A01 - Est. Turísticas | A02 - Est. Balneárias | A03 - Est. Climáticas | A04 - Est. Hidrominerais | C01 - Bauru | C02 - Campinas | C03 - Itapetininga | C04 - Mogi das Cruzes | C05 - Presidente Prudente | C06 - Ribeirão Preto | C07 - Santos | C08 - São Carlos | C09 - São José do Rio Preto | C10 - São José dos Campos | C12 - Sorocaba | C13 - Taubaté | D - MÚSICAS | E - BLOG DO JOÃO |
Portal: Inicial | Quem Somos | Como Anunciar | Fale Conosco | Enviar Email |

© Interior SP - Cidades. Todos os Direitos Reservados.

Desenvolvimento: UPWEB Internet Solutions