Busque sua Cidade
 
Inicial
 
Seções
A01 - Est. Turísticas
A02 - Est. Balneárias
A03 - Est. Climáticas
A04 - Est. Hidrominerais
C01 - Bauru
C02 - Campinas
C03 - Itapetininga
C04 - Mogi das Cruzes
C05 - Presidente Prudente
C06 - Ribeirão Preto
C07 - Santos
C08 - São Carlos
C09 - São José do Rio Preto
C10 - São José dos Campos
C12 - Sorocaba
C13 - Taubaté
D - MÚSICAS
E - BLOG DO JOÃO
 
Portal
Quem Somos
Como Anunciar
Fale Conosco
Enviar E-mail
 
Bady Bassitt

Demografia

Dados do Censo - 2000

População Total: 11.550

Urbana: 10.274

Rural: 1.276

Homens: 5.824

Mulheres: 5.726

Densidade demográfica (hab./km²): 105,38

Mortalidade infantil até 1 ano (por mil): 11,83

Expectativa de vida (anos): 73,53

Taxa de fecundidade (filhos por mulher): 1,92

Taxa de Alfabetização: 93,66%

Índice de Desenvolvimento Humano (IDH-M): 0,812

IDH-M Renda: 0,732

IDH-M Longevidade: 0,809

IDH-M Educação: 0,895

(Fonte: IPEADATA)

Hidrografia

Vários córregos cortam a cidade, Córrego Borá, Córrego dos Macacos e o principal é o Córrego Borboleta.

Transporte

O município é cortado pela maior rodovia do país, a BR-153 (Transbrasiliana), que a liga ao Pólo Regional de São José do Rio Preto, uma dos maiores do interior do estado de São Paulo.

O acesso ao pólo (São José do Rio Preto - 7 km) é feita por transporte rodoviário (BR-153).

Não há transporte aéreo, e nem transporte ferroviário.

Rodovias

BR-153 (Transbrasiliana)

SP-310

SP-355 (Maurício Goulart)

COMO CHEGAR

Localização

São José do Rio Preto

Limites

São José do Rio Preto, Mirassol, Nova Aliança, Potirendaba, e Cedral.

Acesso Rodoviário

Rodovia Transbrasiliana ou BR-153.

Distâncias

410 km da Capital.

HISTÓRIA DA CIDADE

Dizia Lourenço da Silva Pontes que seus pais eram proprietários de gleba de terras compostas de 50 alqueires nas fazendas Borá e Campo e que, quando entraram para abertura das referidas terras, eram pura-mata virgem e não havia nenhuma estrada.
De início, derrubaram parte da mata, e ali construíram uma modesta casa de pau-a-pique, onde fixaram seus domicílios. Isso aconteceu no princípio da última década do século 19, auxiliado pelos seus cunhados José Henrique de Oliveira, Sebastião Vaz de Lima, José Manoel Gonçalves e Camilo Apolinário de Morais, além de Domingos Moreira, Miguel Anastácio, Francisco Teodoro Junior, Joaquim Custódio, Antonio Carneiro, Lúcio Moreira e Jeremias Pinto.
Na divisa das duas fazendas corria um córrego, chamado Borboleta, porque havia na passagem da estrada velha enorme quantidade de borboletas que sobrevoavam a margem do rio. Mais tarde o nome Borboleta foi dado ao povoado que se formaria.
A referida área de terras, constituída de duas glebas, tinha as seguintes divisas: por um lado, com José Henrique de Oliveira e Camilo Apolinário de Morais; por outro, com o córrego Borboleta, com a denominação de fazenda Borá, que era constituída de 16,5 alqueires, e divisava-se, por um lado, com Sebastião Vaz de Lima e Jeremias Pinto e, por outro, com José Henrique de Oliveira, pela cabeceira, com Lúcio Moreira e, pelos fundos, com o córrego Borboleta.
Em 1908, faleceu Maria Cândida de Jesus, deixando os seguintes filhos, todos menores: Luiz, Lourenço, Augusto e Maria, a mais nova. O inventariante só reservou para si o usufruto do imóvel, ficando o terreno para os herdeiros. Foi aberta uma estrada que ligava a Rio Preto, na altura da propriedade de dona Balbina, atravessando a gleba Campo. Pela estrada, onde hoje é a rua Visconde de Cairu, antiga rua Joaquim Francisco de Oliveira,  passavam os moradores que iam a Rio Preto fazer compras.
Camilo de Morais ficou viúvo pouco tempo depois, com a morte da esposa Maria Eufrásia de Jesus, deixando cinco filhos. Querendo ajudá-lo, Antonio Manoel da Silva mandou construir para o cunhado uma modesta casa com três cômodos, feita de madeira e barro, coberta com telhas comuns, à margem da nova estrada, onde hoje fica a rua Visconde de Cairu.
Na pequena casa, Camilo de Morais instalou uma venda de secos e molhados. Comprava suas mercadorias em Cerradinho, onde hoje é a estação de Catanduva, na época ponta da estrada de ferro Araraquarense. Ele foi o primeiro comerciante a se estabelecer no povoado de Borboleta, em 1912.
Por conselho de um amigo, Antonio Manoel doou um alqueire de terras para a fundação do patrimônio de São Sebastião de Borboleta, onde foi construída a primeira capela. O terreno pertencia aos filhos. Coube ao mais filho, Luiz Gonzaga de Pontes, casado com Antonio Gabriela de Oliveira, outorgar a escritura. Para que o filho não ficasse prejudicado com a doação, o pai compensou-o com gado o valor das terras que passaram ao patrimônio. Isso aconteceu em 1914, conforme documento do Cartório de Registro de Imóveis.
Com o patrimônio criado, fazia-se necessário um cemitério. O doador da área foi o mesmo Antonio Manoel. Foi construído dentro de meia quarta de alqueire, ou 3,025 metros quadrados, cercados com lascas de aroeira.
A parte de terras que pertenceu a herdeira Maria Cândida Pontes, casada com Gentil Batista de Carvalho, foi adquirida por Lourenço Pontes e sua esposa, Ana da Silva Pontes.
Diante da necessidade de aumentar o cemitério, que pertencia a Rio Preto, Lourenço Pontes comprou de Maria Pontes três lotes de terrenos, num total de 2,900 metros quadrados, pelo valor de um conto e quinhentos mil réis, pagos em três parcelas iguais.
O povoado foi fundado em 13 de fevereiro de 1914, por Manoel Antonio da Silva. O Distrito de Paz foi criado em 1926, pela lei 2.171, de 27 de dezembro de 1926. 
O primeiro cartório de Borboleta pertenceu a Fernando Correa Pires, nome de uma rua da cidade.
A vila de Borboleta foi elevada a patrimônio de distrito de São José do Rio Preto pela lei 2171, de 12 de dezembro de 1926.
O grupo escolar foi instalado em 1.º de junho de 1935, sob a direção do professor Antonio de Barros.
A criação do município de Borboleta se deu em 1959, pela lei 5285, de 18 de fevereiro de 1959.
O primeiro prefeito foi João Matheus Teles de Menezes. Pela lei 8050, de 1963, ele alterou o nome de Borboleta para Bady Bassitt.
O ginásio estadual foi instalado em 31 de dezembro de 1966.
A lei municipal 333, de 25 de abril de 1974, reconheceu oficialmente Antonio Manuel da Silva como fundador do município.

Significado do Nome

Homenagem ao deputado estadual de São José do Rio Preto.

Aniversário da Cidade: 18 de fevereiro.

Fundação 1959

Gentílico: bassitense

Administração

Prefeito: EDMUR PRADELA

Fontes

http://www.ferias.tur.br/informacoes/8937/bady-bassitt-sp.html

http://pt.wikipedia.org/wiki/Bady_Bassitt

http://www.badybassitt.sp.gov.br/index.asp

 
MAIS SOBRE Bady Bassitt:
 
Deixe seu Comentário
 
 
COMETÁRIOS SOBRE Bady Bassitt:
 
 
Seções: A01 - Est. Turísticas | A02 - Est. Balneárias | A03 - Est. Climáticas | A04 - Est. Hidrominerais | C01 - Bauru | C02 - Campinas | C03 - Itapetininga | C04 - Mogi das Cruzes | C05 - Presidente Prudente | C06 - Ribeirão Preto | C07 - Santos | C08 - São Carlos | C09 - São José do Rio Preto | C10 - São José dos Campos | C12 - Sorocaba | C13 - Taubaté | D - MÚSICAS | E - BLOG DO JOÃO |
Portal: Inicial | Quem Somos | Como Anunciar | Fale Conosco | Enviar Email |

© Interior SP - Cidades. Todos os Direitos Reservados.

Desenvolvimento: UPWEB Internet Solutions